sábado, 31 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Atitude de discípulo


Leitura Orante

Lc 14,1.7-11

Num sábado, Jesus entrou na casa de certo líder fariseu para tomar uma refeição. E as pessoas que estavam ali olhavam para Jesus com muita atenção. Certa vez Jesus estava reparando como os convidados escolhiam os melhores lugares à mesa. Então fez esta comparação:
- Quando alguém convidá-lo para uma festa de casamento, não sente no melhor lugar. Porque pode ser que alguém mais importante tenha sido convidado. Então quem convidou você e o outro poderá dizer a você: "Dê esse lugar para este aqui." Aí você ficará envergonhado e terá de sentar-se no último lugar. Pelo contrário, quando você for convidado, sente-se no último lugar. Assim quem o convidou vai dizer a você: "Meu amigo, venha sentar-se aqui num lugar melhor." E isso será uma grande honra para você diante de todos os convidados. Porque quem se engrandece será humilhado, mas quem se humilha será engrandecido.

Comentário do Evangelho

Discipulo de Jesus é aquele que serve

Esta narrativa é uma continuação do episódio da cura de um hidrópico na casa de um chefe dos fariseus, onde Jesus foi convidado para uma refeição. Os fariseus observavam Jesus, procurando condená-lo. Mas, por sua vez, Jesus também observa os presentes, como escolhiam os primeiros lugares, e faz sua sábia intervenção narrando uma parábola. O banquete das elites é uma imagem da sociedade classista, na qual cada um procura o poder e o prestígio em um processo de competição excludente. O ensino de Jesus é uma subversão dos valores comuns desta sociedade competitiva, expressa na sentença final: "Todo aquele que se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado". No discipulado de Jesus cada um coloca-se em último lugar, como aquele que serve. São os laços do serviço recíproco que criam a união da comunidade e o seu crescimento.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Jesus cura no sábado



Leitura Orante

Lc 14,1-6

Outra cura num sábado
Num sábado, Jesus entrou na casa de certo líder fariseu para tomar uma refeição. E as pessoas que estavam ali olhavam para Jesus com muita atenção. Um homem, com as pernas e os braços inchados, chegou perto dele. E Jesus perguntou aos mestres da Lei e aos fariseus:
- A nossa Lei permite curar no sábado ou não?
Mas eles não responderam nada. Então Jesus pegou o homem, curou-o e o mandou embora. Aí disse:
- Se um filho ou um boi de algum de vocês cair num poço, será que você não vai tirá-lo logo de lá, mesmo que isso aconteça num sábado?
E eles não puderam responder.

Comentário do Evangelho

Jesus faz o bem aos sábados

Esta narrativa da cura do hidrópico na casa de um fariseu tem o mesmo tema e apresenta-se com esquema semelhante às narrativas da cura do homem da mão seca na sinagoga e da cura da mulher encurvada, também na sinagoga. O tema comum é o do confl ito com os chefes religiosos de Israel diante da liberdade de Jesus em fazer o bem aos sábados, deixando à margem a Lei da tradição. Jesus vai contra a observância estreita de uma lei que não favorece a vida. O hidrópico representa os convivas inchados de orgulho e satisfação pela participação à mesa do chefe dos fariseus e pela adesão à sua doutrina. A cura do hidrópico significa o ato libertador de Jesus para com os submissos à ideologia do judaísmo, a partir da ruptura com a observância sagrada do repouso sabático. Libertar os que estão sob o jugo da ideologia opressora é o primeiro passo para a acolhida de Jesus. Ele age com uma coerência tal que desnorteia aqueles que, apegados ao poder, o rejeitam. Acabarão decidindo, então, que só resta o caminho da
violência para eliminá-lo.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Jesus tem consciência da sua missão



Leitura Orante

Lc 13,31-35

Naquele momento alguns fariseus chegaram perto de Jesus e disseram:
- Vá embora daqui, porque Herodes quer matá-lo.
Jesus respondeu:
- Vão e digam para aquela raposa que eu mandei dizer o seguinte: "Hoje e amanhã eu estou expulsando demônios e curando pessoas e no terceiro dia terminarei o meu trabalho."
E Jesus continuou:
- Mas eu preciso seguir o meu caminho hoje, amanhã e depois de amanhã; pois um profeta não deve ser morto fora de Jerusalém.
- Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedreja os mensageiros que Deus lhe manda! Quantas vezes eu quis abraçar todo o seu povo, assim como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das suas asas, mas vocês não quiseram! Agora a casa de vocês ficará completamente abandonada. Eu afirmo que vocês não me verão mais, até chegar o tempo em que dirão: "Deus abençoe aquele que vem em nome do Senhor!"

Comentário do Evangelho

Nada amedronta Jesus

Caminhando para Jerusalém, Jesus atravessava cidades e povoados. No caminho, esclarecia os discípulos sobre a rejeição da parte do judaísmo, que se julgava povo eleito, e de sua acolhida entre os gentios, exprimindo-o com a frase: "Eis que há últimos que serão os primeiros, e primeiros que serão os últimos". Então se aproximaram de Jesus alguns fariseus, comunicando-lhe que Herodes queria matá-lo. Será que vêm como amigos que querem ajudar, ou com malícia para intimidarem Jesus? Em sua resposta, Jesus mostra que não se amedronta diante de ameaças. E, ainda mais, o que está para acontecer é que serão os próprios chefes religiosos de Israel que articularão a sua morte. Jesus o exprime com a advertência sobre Jerusalém, a capital do judaísmo: é a cidade que mata os profetas
e rejeita os que se empenham na promoção da vida e na construção da paz.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

São Judas Tadeu - o santo do dia



28 de outubro

São Judas Tadeu

São Judas, filho de Cleophas que morreu martirizado, ( Cleophas era irmão de São José) e de Maria Cleophas,( irmã de Nossa Senhora) assim era primo irmão de Jesus e diziam que se parecia muito com Ele.

Era irmão de São Tiago, o menor e de São Simão, o apóstolo .

Alguns especialistas acham que São Simão, o apóstolo, era o noivo do casamento no qual Jesus transformou a água em vinho (Bodas de Canã). São Judas assistiu de perto o milagre e estudiosos dizem que isto foi a causa de Judas Thadeu se tornar um seguidor quase fanático de Jesus. Lucas também chama Judas o "Zealote"(o fanático) (Luc 6:15). Outros escolares acham que o "zealote" seria zeloso e não fanático devido ao fervor com que São Judas Tadeu seguia a lei judaica e mais tarde os ensinamentos de Jesus.

Ele é o autor do menor dos livros do Novo Testamento :
"A carta de Judas"; embora no versículo 17 desta carta, deixa uma dúvida de que talvez os apóstolos de Jesus já haviam morrido.
A carta de Judas foi escrita por um homem apaixonado e preocupado com a pureza da fé cristã e a boa reputação do povo cristão. O escritor diz que ele planejava escrever um carta diferente, mas ouvindo os pontos de vista errados de falsos professores da comunidade cristã ele urgentemente escreveu esta carta para alertar a Igreja para acautelar-se contra eles.

A tradição ocidental baseada nos contos apócrifos da "Paixão de Simão e Judas" diz que após pregarem no Egito, Simão juntou-se a Judas e foram em missões para a Pérsia. Lendas do século sexto descrevem o martírio de ambos Simão e Judas na Pérsia, na cidade de Sufian(Siani); embora a tradição oriental diz que Simão morreu pacificamente em Edessa.

Como São Tadeu, Judas tem sido confundido também com Santo Addai na Mesopotania . Vários estudiosos das escrituras, acreditam que Judas foi morto com uma serra ou um facão.

Na arte litúrgica da Igreja São Judas Tadeu é mostrado como um homem de meia idade com uma serra ou um livro ou um barco. Algumas vezes ele é mostrado segurando um remo e algumas vezes um peixe.

Suas relíquias estariam em Rheims e Touluse ,França.

Ele é venerado como um dos mais populares santos da Igreja e é considerado o patrono das causas perdidas. No Brasil, só perde em popularidade para São Jorge, mas alguns observadores ponderam que São Jorge é o mais popular, devido a invocações em práticas nada cristãs.


Oração a São Judas Tadeu

São Judas Tadeu, glorioso Apóstolo, fiel servo e amigo de Jesus! O nome de Judas Iscariostes, o traidor de Jesus, foi causa de que fôsseis esquecido por muitos, mas agora a Igreja vos honra e invoca por todo o mundo como patrono dos casos desesperados e dos negócios sem remédio. Rogai por mim que estou tão desolado. Eu vos imploro, fazei uso do privilégio que tendes de trazer socorro imediato, onde o socorro desapareceu quase por completo. Assiste-me nessa grande necessidade, para que eu possa receber as consolações e o auxílio do céu em todas as minhas precisões, tribulações e sofrimentos. São Judas Tadeu, alcançai-me a graça que vos peço (pedido). Eu vos prometo, ó bendito São Judas Tadeu, lembrar-me sempre deste grande favor e nunca deixar de vos louvas e honrar como meu especial e poderoso patrono e fazer tudo que estiver ao meu alcance para espalhar a vossa devoção por toda a parte.
São Judas Tadeu rogai por nós.

Evangelho do dia - Jesus chama os doze apóstolos



Leitura Orante

Lc 6,12-19

Naquela ocasião Jesus subiu um monte para orar e passou a noite orando a Deus. Quando amanheceu, chamou os seus discípulos e escolheu doze deles. E deu o nome de apóstolos a estes doze: Simão, em quem pôs o nome de Pedro, e o seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu; Simão, o nacionalista; Judas, filho de Tiago; e Judas Iscariotes, que foi o traidor.
Jesus desceu do monte com eles e parou com muitos dos seus seguidores num lugar plano. Uma grande multidão estava ali. Era gente de toda a Judéia, de Jerusalém e das cidades de Tiro e Sidom, que ficam na beira do mar. Eles tinham vindo para ouvir Jesus e para serem curados das suas doenças. Os que estavam atormentados por espíritos maus também vieram e foram curados. Todos queriam tocar em Jesus porque dele saía um poder que curava todas as pessoas.

Comentário do Evangelho

A oração ilumina e fortalece a ação missionária.

A tradição das comunidades oriundas do judaísmo guardava uma lista de doze nomesaos quais se atribuía a liderança da igreja. Os evangelistas sinóticos inserem esta lista em seus textos. Lucas apresenta a escolha dos Doze após uma noite de oração de Jesus. É característico de Lucas, devoto da oração de Jesus, o empenho em registrar estes momentos de intimidade entre Jesus e o Pai, ao longo de seu ministério. A oração ilumina e fortalece a ação missionária. Após a noite de oração na montanha, é necessário descer para ir ao encontro das multidões que anseiam por Jesus, em busca de libertação e vida. Eles vêm da Judéia e das regiões gentílicas vizinhas da Galiléia. Jesus os acolhe, sem discriminações. Com suas palavras e sua prática, ele eleva os abatidos e os liberta da exclusão que os alienava e causava doenças do corpo e da mente.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Reino: semente e fermento



Leitura Orante

Lc 13,18-21

Jesus disse:
- Com o que o Reino de Deus é parecido? Que comparação posso usar? Ele é como uma semente de mostarda que um homem pega e planta na sua horta. A planta cresce e fica uma árvore, e os passarinhos fazem ninhos nos seus ramos.
Jesus continuou:
- Que comparação poderei usar para o Reino de Deus? Ele é como o fermento que uma mulher pega e mistura em três medidas de farinha, até que ele se espalhe por toda a massa.

Comentário do Evangelho

O Reino transforma o mundo

Estas duas parábolas, geminadas, são de fácil apreensão e memorização, pela simplicidade e força de expressão. São extraídas do âmbito doméstico, envolvendo um homem e uma mulher. A simples e comum presença do Reino no mundo é expressa por imagens do cotidiano. A tradição de Israel ansiava por um reino de glória e poder comparável com a imponência dos grandes cedros dos montes do Líbano. Descartando esta proposta, o Reino de Deus é comparado, por Jesus, à mostarda, uma simples hortaliça comum nas margens do lago de Genesaré (Mar da Galiléia) e passível de ser cultivada em horta ou jardim. Seu grão é minúsculo, mas pode crescer até uns três metros. Embora seja um arbusto modesto, acolhe os pássaros do céu. De modo semelhante o fermento, que, em pequena quantidade, é misturado com a farinha pela mulher. Desaparece dentro da massa, porém a transforma toda, dando-lhe leveza e tornando-a mais digerível. Não se trata de grandiosidade e poder do Reino, mas sim de sua capacidade transformadora do mundo. O modesto início aponta para um processo que será restaurador de toda a sociedade, apesar das oposições, resistências e violência enfrentadas por Jesus e por seus discípulos ao longo do tempo.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Jesus cura a mulher encurvada



Leitura Orante

Lc 13,10-17

Certo sábado, Jesus estava ensinando numa sinagoga. E chegou ali uma mulher que fazia dezoito anos que estava doente, por causa de um espírito mau. Ela andava encurvada e não conseguia se endireitar. Quando Jesus a viu, ele a chamou e disse:
- Mulher, você está curada.
Aí pôs as mãos sobre ela, e ela logo se endireitou e começou a louvar a Deus. Mas o chefe da sinagoga ficou zangado porque Jesus havia feito uma cura no sábado. Por isso disse ao povo:
- Há seis dias para trabalhar. Pois venham nesses dias para serem curados, mas, no sábado, não!
Então o Senhor respondeu:
- Hipócritas! No sábado, qualquer um de vocês vai à estrebaria e desamarra o seu boi ou o seu jumento a fim de levá-lo para beber água. E agora está aqui uma descendente de Abraão que Satanás prendeu durante dezoito anos. Por que é que no sábado ela não devia ficar livre dessa doença?
Os inimigos de Jesus ficaram envergonhados com essa resposta, mas toda a multidão ficou alegre com as coisas maravilhosas que ele fazia.

Comentário do Evangelho

A prática de Jesus humaniza

Esta narrativa, exclusiva de Lucas, revela a ação libertadora de Jesus, que se choca com a atitude legalista e hipócrita do chefe da sinagoga. Este está apegado à observância religiosa do sábado, com a qual adquire boa consciência e prestígio. Para ele, esta observância, que não o impede de fazer o bem aos animais, está acima do bem que se pode fazer a uma pessoa. A mulher, tomada por um mau espírito, encurvada e totalmente incapaz de
olhar para cima, representa a comunidade submissa da sinagoga, humilhada e sem iniciativa. Ao ser libertada no dia de sábado, está sendo libertada também da própria lei que a oprime. Readquire sua estatura normal e sua dignidade, humanizada pela prática de Jesus. O mundo de hoje é o espaço para acontecer estas maravilhas de Jesus.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Os sinais dos tempos


Leitura Orante

Lc 12,54-59

Jesus disse também ao povo:
- Quando vocês vêem uma nuvem subindo no oeste, dizem logo: "Vai chover." E, de fato, chove. E, quando sentem o vento sul soprando, dizem: "Vai fazer calor." E faz mesmo. Hipócritas! Vocês sabem explicar os sinais da terra e do céu. Então por que não sabem explicar o que querem dizer os sinais desta época?
E Jesus terminou, dizendo:
- Por que é que vocês mesmos não decidem qual é a maneira certa de agir? Se alguém fizer uma acusação contra você e levá-lo ao tribunal, faça o possível para resolver a questão enquanto ainda está no caminho com essa pessoa. Isso para que ela não o leve ao juiz, o juiz o entregue ao guarda, e o guarda ponha você na cadeia. Eu lhe afirmo que você não sairá dali enquanto não pagar a multa toda.

Comentário do Evangelho

Reconhecer os sinais dos tempos

A natureza, em cada região do mundo, tem seus sinais próprios, compreendidos pelos habitantes locais. De modo semelhante, no convívio humano, o reconhecimento da presença de Deus no tempo presente se faz pela avaliação do que é justo, a favor da vida, nos acontecimentos do dia-a-dia. Enquanto na tradição do Primeiro Testamento Javé se manifesta por sinais de poder prodigioso, com Jesus a manifestação de Deus se dá através de seus atos de solidariedade, de compaixão e de perdão, no amor. O reconhecimento da presença de Deus na história e no mundo
acontece por meio de todo e qualquer ato de amor, na promoção da vida. Neste texto, Lucas destaca particularmente a reconciliação, que remove os muros da inimizade, do ódio e da obsessão do "inimigo" tão presente no Primeiro Testamento. Na sociedade competitiva e movida pela ambição da riqueza, o discernimento e a prática da justiça nos movem à sua superação, na construção do mundo novo de justiça e paz.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Divisão ou opção por Jesus

Leitura Orante

Lc 12,49-53
Jesus continuou:
- Eu vim para pôr fogo na terra e como eu gostaria que ele já estivesse aceso! Tenho de receber um batismo e como estou aflito até que isso aconteça! Vocês pensam que eu vim trazer paz ao mundo? Pois eu afirmo a vocês que não vim trazer paz, mas divisão. Porque daqui em diante uma família de cinco pessoas ficará dividida: três contra duas e duas contra três. Os pais vão ficar contra os filhos, e os filhos, contra os pais. As mães vão ficar contra as filhas, e as filhas, contra as mães. As sogras vão ficar contra as noras, e as noras, contra as sogras.

Jesus continua recomendando vigilância e fidelidade. O ladrão costuma vir à noite. A surpresa, normalmente, é seu recurso.Pedro fica em dúvida se a parábola é só para os discípulos ou é para todos. Na verdade, embora a vigilância seja coletiva ( da casa), aplica-se a cada pessoa. Na parábola do texto de hoje, Jesus fala do empregado encarregado da casa e dos outros empregados. Poderá ser fiel ou abusar de seu cargo, sendo autoritário com seus dependentes e agindo com permissividade. O desconhecimento das ordens do patrão é atenuante : "será castigado com poucas chicotadas."0 que sabe qual é a vontade do patrão e não se prepara,nem faz o que ele quer, será castigado. Podemos concluir que ele próprio se condena.

Comentário do Evangelho

Jesus veio lançar o fogo do amor

Em uma seqüência de instruções aos discípulos, Lucas apresenta estas sentenças de Jesus, com as palavras chave: fogo, batismo, divisão. O contexto é o do fim do ministério de Jesus e das dificuldades que os discípulos enfrentarão em sua missão. João Batista anunciara que Jesus batizaria no Espírito Santo e com o fogo. O Espírito é o amor de Deus infundido nos corações. O fogo era, tradicionalmente, o símbolo do julgamento, dentro da visão apocalípticaescatológica; a palha, separada do trigo, seria lançada ao fogo. Contudo, nas palavras de Jesus, em vez de condenação, o fogo que ele veio lançar é o fogo do amor, identificado com o Espírito, que deveria tomar toda a terra. O batismo pelo qual Jesus anseia é a consumação da sua obra de anúncio do Reino, na qual o Pai é glorificado. E a glória do Pai se completará com a continuidade da missão pelos discípulos. A divisão que Jesus traz é a ruptura com a paz do mundo submisso aos poderosos. A família, célula da sociedade e também célula de reprodução do judaísmo, comumente identifica-se com esta paz. Jesus, com seu Reino de amor, propõe algo novo que abala a paz tradicional.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Consequências da fidelidade



Leitura Orante

Lc 12,39-48

Lembrem disto: se o dono da casa soubesse a que hora o ladrão viria, não o deixaria arrombar a sua casa. Vocês, também, fiquem alertas, porque o Filho do Homem vai chegar quando não estiverem esperando
Então Pedro perguntou:
- Senhor, essa parábola é só para nós ou é para todos?
O Senhor respondeu:
- Quem é, então, o empregado fiel e inteligente? É aquele que o patrão encarrega de tomar conta da casa e de dar comida na hora certa aos outros empregados. Feliz aquele empregado que estiver fazendo isso quando o patrão chegar! Eu afirmo a vocês que, de fato, o patrão vai colocá-lo como encarregado de toda a sua propriedade. Mas imaginem o que acontecerá se aquele empregado pensar que o seu patrão está demorando muito para voltar. E imaginem que esse empregado comece a bater nos outros empregados e empregadas e a comer e a beber até ficar bêbado. Então o patrão voltará no dia em que o empregado menos espera e na hora que ele não sabe. Aí o patrão mandará cortar o empregado em pedaços e o condenará a ir para o lugar aonde os desobedientes vão.
- O empregado que sabe qual é a vontade do patrão, mas não se prepara e não faz o que ele quer, será castigado com muitas chicotadas. Mas o empregado que não sabe o que o patrão quer e faz alguma coisa que merece castigo, esse empregado será castigado com poucas chicotadas. Assim será pedido muito de quem recebe muito; e, daquele a quem muito é dado, muito mais será pedido.

Comentário do Evangelho

Estar preparados e vigilantes

Ainda dentro da vigilância escatológica, à espera do fim dos tempos, Lucas apresenta mais estas duas parábolas. Elas são também encontradas em Mateus, com a afirmativa final de condenação, que lhe é característica: "Ali haverá choro e ranger de dentes". As referências aos castigos cruéis refletem a cultura em vigor nas comunidades sob a influência do Primeiro Testamento, que fizeram a memória de Jesus. O inesperado da vinda de Jesus, o Humano ("Filho do Homem"), não se refere ao tempo cronológico, mas à maneira desta vinda. Estar preparado é perceber a presença de Jesus nas pessoas carentes e necessitadas e servi-las, entrando em comunhão com o próprio Jesus.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Preparar-se para ser feliz


Leitura Orante

Lc 12,35-38

E Jesus disse ainda:
- Fiquem preparados para tudo: estejam com a roupa bem presa com o cinto e conservem as lamparinas acesas. Sejam como os empregados que esperam pelo patrão, que vai voltar da festa de casamento. Logo que ele bate na porta, os empregados vão abrir. Felizes aqueles empregados que o patrão encontra acordados e preparados! Eu afirmo a vocês que isto é verdade: o próprio patrão se preparará para servi-los, mandará que se sentem à mesa e ele mesmo os servirá. Eles serão felizes se o patrão os encontrar alertas, mesmo que chegue à meia-noite ou até mais tarde.

Comentário do Evangelho

Estar vigilantes e empenhados

Na pregação apostólica, um dos principais conteúdos era a proximidade da parusia, ou seja, da volta iminente de Jesus para o juízo final. Nesta expectativa havia um empenho em viver autenticamente a fé nas comunidades. Porém, com o passar do tempo, sem nada ocorrer e sem sinais próximos da parusia, o ardor das comunidades começa a esfriar. Os evangelistas empenham-se então em reanimá-las, mantendo acesa a chama desta expectativa. Estar acordado, de prontidão, em trajes de serviço e com as lâmpadas acesas significa estar atento e praticando a vontade de Deus, unido e servindo à comunidade no anúncio da Palavra. Por duas vezes é proclamada a bem-aventurança dos que assim estiverem. O próprio Senhor vai trajar-se para o serviço e os servirá à mesa. A afirmação lembra o "lava-pés" do Evangelho de João. Hoje, as comunidades, conscientes da presença de Jesus no seu meio, movidas pelo amor e vigilantes, empenham-se na construção do mundo novo.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

3ª Semana Brasileira de Catequese





FESTA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS

Com a Graça de Deus celebramos nossa Festa Paroquial em Louvor a São Francisco.
Juntamente com o Pe. Carlos, só temos que agradecer a cada um, cada uma que se empenhou para a feliz realização da festa.
Foram especiais momentos de celeração da vida em família.
depois da Santa Missa tivemos os leilões de confraternização! Portanto, que Deus, pela intercessão de São Francisco de Assis, abençoe a todos!
Nossa Renda Bruta: R$ 96.545,30;
Despesas: R$ 20.569,66;
Líquido: R$ 75.975,64.

- Deste montante, temos R$ 32.019,00 em cheques pré-datados; R$ 3.870,34 recebidos em dinheiro; e, R$ 40.086,30 ainda por receber.
- Portanto, caso você tenha algum "leilãozinho" fiado, pedimos a gentileza de nos procurar!

Parabéns aos Festeiros, aos novenários, a todos os trabalhadores diretos, bem como a todos vocês que celebraram conosco!

(Conselho Administrativo Paroquial)

Evangelho do dia - Dar e partilhar e, não, acumular


Leitura Orante

Lc 12,13-21

Um homem que estava no meio da multidão disse a Jesus:
- Mestre, mande o meu irmão repartir comigo a herança que o nosso pai nos deixou.
Jesus disse:
- Homem, quem me deu o direito de julgar ou de repartir propriedades entre vocês?
E continuou, dizendo a todos:
- Prestem atenção! Tenham cuidado com todo tipo de avareza porque a verdadeira vida de uma pessoa não depende das coisas que ela tem, mesmo que sejam muitas.
Então Jesus contou a seguinte parábola:
- As terras de um homem rico deram uma grande colheita. Então ele começou a pensar: "Eu não tenho lugar para guardar toda esta colheita. O que é que vou fazer? Ah! Já sei! - disse para si mesmo. - Vou derrubar os meus depósitos de cereais e construir outros maiores ainda. Neles guardarei todas as minhas colheitas junto com tudo o que tenho. Então direi a mim mesmo: 'Homem feliz! Você tem tudo de bom que precisa para muitos anos. Agora descanse, coma, beba e alegre-se.' " Mas Deus lhe disse: "Seu tolo! Esta noite você vai morrer; aí quem ficará com tudo o que você guardou?"
Jesus concluiu:
- Isso é o que acontece com aqueles que juntam riquezas para si mesmos, mas para Deus não são ricos.

Comentário do Evangelho

O senso de partilha

Jesus rejeita intervir em uma disputa de herança, indo ao essencial da questão. O problema é a acumulação da riqueza que gerou a herança, fruto da ganância e da injustiça. Entre os "Padres da Igreja" (teólogos dos oito primeiros séculos) encontramos inúmeras denúncias contra a ambição da riqueza. São João Crisóstomo afirma que "não é possível enriquecer-se sem cometer mil iniqüidades", e se alguém argumenta que se trata de uma herança, "o princípio e a raiz dela procedem forçosamente da iniqüidade", pois foi acumulada por aqueles que "se apoderaram e se beneficiaram do alheio". A parábola de Jesus, de fácil compreensão, revela a insanidade do desejo de acumulação
de riquezas.

domingo, 18 de outubro de 2009

São Lucas

18 de outubro

São Lucas

Lucas é um dos quatro evangelistas. O seu Evangelho é reconhecido como o do amor e da misericórdia. Foi escrito sob o signo da fé, nos tempos em que isso podia custar a própria vida. Mas falou em nascimento e ressurreição, perdão e conversão, na salvação de toda a humanidade. Além do terceiro evangelho, escreveu os Atos dos Apóstolos, onde registrou o desenvolvimento da Igreja na comunidade primitiva, relatando os acontecimentos de Jerusalém, Antioquia e Damasco, deixando-nos o testemunho do Cristo da bondade, da doçura e da paz.

Lucas nasceu na Antioquia, Síria. Era médico e pintor, muito culto, e foi convertido e batizado por são Paulo. No ano 43, já viajava ao lado do apóstolo, sendo considerado seu filho espiritual. Escreveu o seu Evangelho em grego puro, quando são Paulo quis pregar a Boa-Nova aos povos que falavam aquele idioma. Os dois sabiam que mostrar-lhes o caminho na própria língua facilitaria a missão apostólica. Assim, através de seus escritos, Lucas tornou-se o relator do nascimento de Jesus, o principal biógrafo da Virgem Maria e o primeiro a expressá-la através da pintura.

Quando das prisões de são Paulo, Lucas acompanhou o mestre, tanto no cárcere como nas audiências. Presença que o confortou nas masmorras e deu-lhe ânimo no enfrentamento do tribunal do imperador. Na segunda e derradeira vez, Paulo escreveu a Timóteo que agora todos o haviam abandonado. Menos um. "Só Lucas está comigo" E essa foi a última notícia certa do evangelista.

A tradição cristã diz-nos que depois do martírio de são Paulo o discípulo, médico e amigo Lucas continuou a pregação. Ele teria seguido pela Itália, Gálias, Dalmácia e Macedônia. E um documento traduzido por são Jerônimo trouxe a informação que o evangelista teria vivido até os oitenta e quatro anos de idade. A sua morte pelo martírio em Patras, na Grécia, foi apenas um legado dessa antiga tradição.

Todavia, por sua participação nos primeiros tempos, ao lado dos apóstolos escolhidos por Jesus, somada à vida de missionário, escritor, médico e pintor, transformou-se num dos pilares da Igreja. Na suas obras, Lucas dirigia-se a um certo Teófilo, amigo de Deus, que tanto poderia ser um discípulo como uma comunidade, ou todo aquele que entrava em contato com a mensagem da Boa-Nova através dessa leitura. Com tal recurso literário, tornou seu Evangelho uma porta de entrada à salvação para todos os povos, concedendo o compartilhamento do Reino de Deus por todas as pessoas que antes eram excluídas pela antiga lei.

Evangelho do dia - O pedido de Tiago e João


Mc 10,35-45

Depois Tiago e João, filhos de Zebedeu, chegaram perto de Jesus e disseram:
- Mestre, queremos lhe pedir um favor.
- O que vocês querem que eu faça para vocês? - perguntou Jesus.
Eles responderam:
- Quando o senhor sentar-se no trono do seu Reino glorioso, deixe que um de nós se sente à sua direita, e o outro, à sua esquerda.
Jesus respondeu:
- Vocês não sabem o que estão pedindo. Por acaso vocês podem beber o cálice que eu vou beber e podem ser batizados como eu vou ser batizado?
Eles disseram:
- Podemos.
Então Jesus disse:
- De fato, vocês beberão o cálice que eu vou beber e receberão o batismo com que vou ser batizado. Mas eu não tenho o direito de escolher quem vai sentar à minha direita e à minha esquerda. Pois foi Deus quem preparou esses lugares e ele os dará a quem quiser.
Quando os outros dez discípulos ouviram isso, começaram a ficar zangados com Tiago e João. Então Jesus chamou todos para perto de si e disse:
- Como vocês sabem, os governadores dos povos pagãos têm autoridade sobre eles e mandam neles. Mas entre vocês não pode ser assim. Pelo contrário, quem quiser ser importante, que sirva os outros, e quem quiser ser o primeiro, que seja o escravo de todos. Porque até o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para salvar muita gente.

Comentário do Evangelho

O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos.

Os três evangelistas sinóticos registram três "anúncios da Paixão", que serão feitos a partir do momento em que Jesus decide dirigir-se a Jerusalém, indo ao encontro das multidões de peregrinos que para aí acorriam para cumprir a observância da celebração anual da Páscoa, no templo. O episódio narrado no Evangelho de hoje vem em seguida ao terceiro anúncio da Paixão. Depois de cerca de três anos de convívio (outono de 27 à primavera de 30), os discípulos ainda manifestam incompreensão em relação à novidade de Jesus. É João, um dos discípulos mais próximos de Jesus, e seu irmão que manifestam suas aspirações de estarem à direita e à esquerda de Jesus, imaginando que ele assumiria o poder (a glória) em Jerusalém. Rejeitando, de maneira generalizada, o abuso de
poder dos chefes das nações, Jesus reafi rma a novidade do Reino. Enquanto a sociedade é dividida entre poderosos opressores e oprimidos explorados, Jesus propõe a conquista da unidade em uma nova sociedade, a partir da humildade e do serviço, resgatando-se a vida dos mais excluídos e marginalizados. Na visão judaico-deuteronômica, é pelo castigo e sacrifício que se purifi cam os pecados. As elites de Jerusalém, exiladas na Babilônia, se consideravam como o "Servo de Javé" (primeira leitura) que, por seu sofrimento, conquistaria a glória para todo o povo judeu. Sob esta mesma visão, o sofrimento final de Jesus foi também interpretado desta maneira. A carta aos Hebreus (segunda leitura) também atribui a Jesus ressuscitado o caráter de sumo sacerdote, figura eminente no templo de Jerusalém, após o exílio. Temos nestas interpretações uma inculturação de Jesus a partir do Primeiro Testamento, feita pelas primeiras comunidades oriundas do judaísmo. Nas bodas de Caná, Jesus bebeu o cálice da festa, da alegria. É o cálice que bebe quando come com os excluídos, pelo que é condenado pelos fariseus. Batizado por João Batista, Jesus é testemunha da justiça e do amor que removem o pecado do mundo.

sábado, 17 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Garantia de comunhão ou separação


Leitura Orante

Lc 12,8-12

Jesus disse ainda:
- Eu digo a vocês que, se alguém afirmar publicamente que é meu, então o Filho do Homem também afirmará, diante dos anjos de Deus, que essa pessoa é dele. Mas aquele que disser publicamente que não é meu, o Filho do Homem também dirá diante dos anjos de Deus que essa pessoa não é dele.
- Quem falar contra o Filho do Homem será perdoado, porém quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado.
- Quando levarem vocês para serem julgados nas sinagogas ou diante dos governadores e autoridades, não fiquem preocupados, pensando como vão se defender ou o que vão dizer. Pois naquela hora o Espírito Santo lhes ensinará o que devem dizer.

Comentário do Evangelho

Seguir Jesus significa testemunhá-lo

Seguem-se algumas sentenças de Jesus que se encontram também dispersas nos Evangelhos de Marcos e Mateus, em geral associadas ao envio missionário dos discípulos. O seguimento de Jesus significa o compromisso concreto de testemunhar o seu amor libertador. Enviado em missão, o discípulo é chamado a dar testemunho diante de todo o povo, ao mundo. A complexa sentença sobre a palavra contra o Filho do Homem e a blasfêmia contra o Espírito Santo permite diversas interpretações. Pode-se entender que a negação de Jesus deixa em aberto, ainda, o caminho da conversão. Porém, a rejeição da misericórdia oferecida pelo Espírito Santo é a rejeição do próprio amor de Deus. As provações de Jesus são também, ao longo do tempo, as provações de seus discípulos. Os discípulos não são aqueles que, submissos aos poderosos do mundo, procuram defender sua sobrevivência e sua posição social. Os verdadeiros discípulos, conduzidos pelo Espírito Santo, deixam tudo, anunciam e colocam-se a serviço da libertação dos oprimidos e da promoção da vida.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

SANTA EDWIGES

Santa Edwiges nasceu em 1174 na Alemanha. Filha de nobres, foi criada em ambiente de luxo e riqueza, o que não a impediu de ser simples e viver com humildade. O seu bem maior era o amor total a Deus e ao próximo.
Aos 12 anos ela se casou com Henrique, príncipe da Silésia (um dos principados da Polônia medieval e atual região administrativa da Polônia), com quem teve seis filhos, sendo que dois deles morreram precocemente. Culta, inteligente e esposa dedicada, ela cuidou da formação religiosa dos filhos e do marido.
Mulher de oração, vivia em profunda intimidade com o Senhor. Submetia-se ao sacrifício de jejuns diários, limitando-se a comer alguns legumes secos nos Domingos, Terças, Quintas e Sábado. Nas Quartas e Sextas-feiras somente pão e água. Isto sempre em quantidade limitada, somente para atender as necessidades do corpo.
No tempo do Advento e da Quaresma, Edwiges se alimentava só para não cair sem sentidos. O esposo não aceitava aquela austeridade. Numa Quarta-feira de Quaresma ele esbravejou por haver tão somente água na mesa sendo que ele só bebia vinho. Edwiges então ofereceu-lhe uma taça, cujo líquido se apresentou como vinho. Foi um dos muitos sinais ou milagres que ela realizou.
Algum tempo depois Edwiges caiu vítima de uma grave enfermidade. Foi preciso que Guilherme, Bispo de Módena, representante do Papa para aquelas regiões, exigisse com uma severa ordem a interrupção de seu jejum. A Santa dizia que isto era mais mortificante do que a sua própria doença.
Dedicou toda sua vida na construção do Reino de Deus. Exerceu fortes influências nas decisões políticas tomadas pelo marido, interferindo na elaboração de leis mais justas para o povo.
Junto com o marido construiu Igrejas, Mosteiros, Hospitais, Conventos e Escolas. Por isto, em algumas representações a Santa aparece com uma Igreja entre as mãos.
Aos 32 anos, fez votos de castidade, o que foi respeitado pelo marido. Quando ficou viúva, foi morar no Mosteiro de Trebnitz, na Polônia, onde sua filha Gertrudes era superiora. Foi lá que Edwiges deu largos passos rumo à santidade. Vivia com o mínimo de sua renda, para dispor o restante em socorro dos necessitados. Ela tinha um carinho especial pelas mulheres e crianças abandonadas. Encaminhava as viúvas para os conventos onde estariam abrigadas em casos de guerra e as crianças para escolas, onde aprendiam um ofício. Era misericordiosa e socorria também os endividados. Em certa ocasião, quando visitava um presídio, ela descobriu que muitos ali se encontravam porque não tinham como pagar as suas dívidas. Desde então, Edwiges saldava as dívidas de muitos e devolvia-lhes a liberdade. Procurava também para eles um emprego. Com isto eles recomeçavam a vida com dignidade, evitando a destruição as famílias em uma época tão difícil como era aquela do século XIII. E ainda mantinha as famílias unidas.
Assim, Santa Edwiges, é considerada a Padroeira dos pobres e endividados e protetora das famílias. Sua morte ocorreu no dia 15 de outubro de 1243. E foi canonizada no dia 26 de março de 1267, pelo Papa Clemente IV. Como no dia 15 de Outubro celebra-se Santa Teresa de Ávila, a comemoração de Santa Edwiges passou para o dia 16 de Outubro. Modelo de esposa, celibatária e viúva, a Santa não faltava à Missa aos Domingos, e isto ela pede aos seus devotos: mais amor a Jesus na Eucaristia e auxílio aos necessitados.

Evangelho do dia - Jesus desperta a confiança em Deus


Leitura Orante

Lc 12,1-7

Milhares de pessoas se ajuntaram, de tal maneira que umas pisavam as outras. Então Jesus disse primeiro aos discípulos:
- Cuidado com o fermento dos fariseus, isto é, com a falsidade deles. Tudo o que está coberto vai ser descoberto, e o que está escondido será conhecido. Assim tudo o que vocês disserem na escuridão será ouvido na luz do dia. E tudo o que disserem em segredo, dentro de um quarto fechado, será anunciado abertamente.
Jesus continuou:
- Eu afirmo a vocês, meus amigos: não tenham medo daqueles que matam o corpo, mas depois não podem fazer mais nada. Vou mostrar a vocês de quem devem ter medo: tenham medo de Deus, que, depois de matar o corpo, tem poder para jogar a pessoa no inferno. Sim, repito: tenham medo de Deus.
- Por acaso não é verdade que cinco passarinhos são vendidos por algumas moedinhas? No entanto Deus não esquece nenhum deles. Até os fios dos cabelos de vocês estão todos contados. Não tenham medo, pois vocês valem mais do que muitos passarinhos!

Comentário do Evangelho

Medo? De que?

Com ênfase, Lucas apresenta Jesus em contato com milhares de pessoas que pisam umas nas outras. Esta narrativa dá continuidade aos "ais" de advertência contra a hipocrisia dos fariseus. É o fermento da forte ideologia de poder, da tradição das sinagogas e do templo de Jerusalém, que impregna a cultura dos discípulos oriundos do judaísmo. E o poder destrói aqueles que o ameaçam. Jesus dirige palavras de estímulo aos discípulos para superarem o medo dos poderosos que matam o corpo. A morte não é a última palavra. Devem se entregar confi antes e livres em Deus, dedicados ao anúncio do Reino. A alusão aos pardais e aos cabelos diz respeito a ditos populares sobre a ciência de Deus. O medo perde sua força. Passa a vigorar a confi ança em Deus que vela por seus discípulos. É ele que sustenta seus fi lhos com o dom da vida eterna.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Jesus é firme em suas palavras


Leitura Orante

Lc 11,47-54

Ai de vocês! Pois fazem túmulos bonitos para os profetas, os mesmos profetas que os antepassados de vocês mataram. Com isso vocês mostram que concordam com o que os seus antepassados fizeram, pois eles mataram os profetas, e vocês fazem túmulos para eles. Por isso a Sabedoria de Deus disse: "Mandarei para eles profetas e mensageiros, e eles matarão alguns e perseguirão outros." Por causa disso esta gente de hoje será castigada pela morte de todos os profetas assassinados desde a criação do mundo, começando pela morte de Abel até a morte de Zacarias, que foi assassinado entre o altar e o Lugar Santo. Sim, eu afirmo a vocês que o povo de hoje será castigado por todos esses crimes.
- Ai de vocês, mestres da Lei! Pois guardam a chave que abre a porta da casa da Sabedoria. E assim nem vocês mesmos entram, nem deixam os outros entrarem.
Quando Jesus saiu dali, os mestres da Lei e os fariseus começaram a criticá-lo com raiva e a lhe fazer perguntas sobre muitos assuntos. Eles queriam levá-lo a dizer alguma coisa que pudesse lhes servir de motivo para acusá-lo.

Comentário do Evangelho

"Ai de vocês!"

No Evangelho de hoje, temos os dois últimos "ais" de advertência, dirigidos aos fariseus e aos doutores da Lei. O judaísmo, com escribas e fariseus, surgiu a partir do exílio da Babilônia, adaptando as tradições do antigo Israel. Extinta a realeza, a casta sacerdotal implanta um poder teocrático, tendo o sumo sacerdote como chefe supremo. Desde então é apenas este que fala em nome de Deus, sendo reprimida qualquer atividade profética. Os escribas e fariseus passam a ser os intérpretes da Lei. Esta "geração", isto é, os representantes da doutrina teocrática, são apontados como responsáveis por todo sangue derramado dos profetas. Jesus lembra o nome de Zacarias, que foi apedrejado no pátio do templo. E agora, é o próprio Jesus que querem matar.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Evangelho do dia - O jeito certo de agir e de viver

Leitura orante

Lc 11,42-46

- Ai de vocês, fariseus! Pois dão para Deus a décima parte até mesmo da hortelã, da arruda e de todas as verduras, mas não são justos com os outros e não amam a Deus. E são exatamente essas coisas que vocês devem fazer sem deixar de lado as outras.
- Ai de vocês, fariseus! Pois gostam demais dos lugares de honra nas sinagogas e gostam de ser cumprimentados com respeito nas praças.
- Ai de vocês! Pois são como sepulturas que não se vêem, sepulturas que as pessoas pisam sem perceber.
Então um mestre da Lei disse a Jesus:
- Mestre, falando assim, o senhor está nos ofendendo também.
Jesus respondeu:
- Ai de vocês também, mestres da Lei! Porque põem fardos tão pesados nas costas dos outros, que eles quase não podem agüentar. Mas vocês mesmos não ajudam, nem ao menos com um dedo, essas pessoas a carregar esses fardos.

Comentário do Evangelho

Dizem e não fazem

Em continuidade às denúncias da insensatez dos fariseus e dos doutores da Lei, Lucas apresenta seis "ais" de advertência. Os fariseus se identifi cavam com os "separados" que observavam escrupulosamente os preceitos da Lei, julgando-se, assim, puros e diferenciados dos demais, considerados pecadores. Com este conjunto de advertências, Jesus desvela esta prática de falsas aparências. Empenhados na observância externa dos preceitos legais, eles pagavam os dízimos, mas deixavam de lado o essencial, que é a prática da justiça, da misericórdia e
do amor. Ostentavam autoridade e poder, com o que fortaleciam seu prestígio e domínio sobre o povo humilde. Eles, com sua doutrina cega, são como os túmulos dissimulados, sobre os quais se anda e se fi ca impuro, pela contaminação da doutrina deles. Jesus não poupa um doutor da Lei que reclamou: eles também oprimem o povo com as exigências de sua doutrina excludente, porém se mantêm isolados, como casta privilegiada.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Para passar o tempo, cuide dos peixinhos!

Evangelho do dia - Partilhar para ficar limpo



Leitura Orante

Lc 11,37-41

Quando Jesus acabou de falar, um fariseu o convidou para jantar na casa dele. Jesus foi e sentou-se à mesa. O fariseu ficou admirado quando viu que Jesus não tinha se lavado antes de comer. Então o Senhor disse a ele:
- Vocês, fariseus, lavam o copo e o prato por fora, mas por dentro vocês estão cheios de violência e de maldade. Seus tolos! Quem fez o lado de fora não é o mesmo que fez o lado de dentro? Portanto, dêem aos pobres o que está dentro dos seus copos e pratos, e assim tudo ficará limpo para vocês.

Comentário do Evangelho

Jesus quer a misericordia

No contexto de uma refeição em casa de um fariseu, Lucas, à semelhança de Mateus, apresenta uma série de contundentes críticas de Jesus aos líderes religiosos de Israel. Convidado por um fariseu para jantar em sua casa, Jesus vai e põe-se à mesa, ao lado de outros convidados, fariseus e doutores da lei. Percebe-se que a intenção do anfitrião não é o bom acolhimento de Jesus, mas sim espreitá-lo para pegá-lo em alguma falta legal. Os fariseus (a palavra signifi ca "separado") primavam pela rigorosa observância da Lei, o que os levava a se considerarem justos
diante de Deus. Logo de início, o fariseu se escandaliza ao ver que Jesus não faz as abluções rituais antes da refeição. A partir deste fato, Jesus inicia sua crítica. Começa indo ao cerne da questão. A Deus não interessam as purifi cações externas rituais. Estas foram criadas para dar boa consciência aos líderes religiosos. O que agrada a Deus é um coração puro, liberto das ambições e maldades, que transborda em atos concretos de amor aos irmãos. A última frase sugere a prática da partilha a ser assumida (dar em esmola o que está dentro), o que leva à pureza de todo seu ser.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Dia de Nossa Senhora Aparecida


Nossa Senhora da Imaculada Conceição Aparecida é um título católico dedicado a Maria, mãe de Jesus de Nazaré. O seu santuário localiza-se em Aparecida, no estado de São Paulo, e a sua festa é comemorada anualmente em 12 de outubro. Nossa Senhora Aparecida é a padroeira do Brasil.

Evangelho do dia - Por Maria a Jesus



Leitura Orante

Jo 2,1-11

Dois dias depois, houve um casamento no povoado de Caná, na região da Galiléia, e a mãe de Jesus estava ali. Jesus e os seus discípulos também tinham sido convidados para o casamento. Quando acabou o vinho, a mãe de Jesus lhe disse:
- O vinho acabou.
Jesus respondeu:
- Não é preciso que a senhora diga o que eu devo fazer. Ainda não chegou a minha hora.
Então ela disse aos empregados:
- Façam o que ele mandar.
Ali perto estavam seis potes de pedra; em cada um cabiam entre oitenta e cento e vinte litros de água. Os judeus usavam a água que guardavam nesses potes nas suas cerimônias de purificação. Jesus disse aos empregados:
- Encham de água estes potes.
E eles os encheram até a boca. Em seguida Jesus mandou:
- Agora tirem um pouco da água destes potes e levem ao dirigente da festa.
E eles levaram. Então o dirigente da festa provou a água, e a água tinha virado vinho. Ele não sabia de onde tinha vindo aquele vinho, mas os empregados sabiam. Por isso ele chamou o noivo e disse:
- Todos costumam servir primeiro o vinho bom e, depois que os convidados já beberam muito, servem o vinho comum. Mas você guardou até agora o melhor vinho.
Jesus fez esse seu primeiro milagre em Caná da Galiléia. Assim ele revelou a sua natureza divina, e os seus discípulos creram nele.

Comentário do Evangelho

Fazei tudo o que ele vos disser!

"Nossa piedade vê, neste Evangelho, o importante papel de Nossa Senhora no projeto salvífico de Deus. Ela é sensível às nossas necessidades e intercede por nós junto a seu Filho. Assim foi em Caná. E Jesus atende aos apelos de sua mãe. Jesus está inaugurando seu ministério. A primeira pessoa que aparece na narrativa, que abre o ciclo do ministério de Jesus, é a sua mãe, que estará também ao pé da cruz. Maria, representante das novas comunidades, convida a todos: "Fazei tudo o que ele vos disser!".


sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Evangelho do dia - A favor ou contra Jesus


Leitura Orante

Lc 11,15-26

A multidão ficou admirada, mas alguns disseram:
- É Belzebu, o chefe dos demônios, que dá poder a este homem para expulsar demônios.
Outros, querendo conseguir alguma prova contra Jesus, pediam que ele fizesse um milagre para mostrar que o seu poder vinha de Deus. Mas Jesus, conhecendo os pensamentos deles, disse:
- O país que se divide em grupos que lutam entre si certamente será destruído; a família que se divide em grupos que lutam entre si também será destruída. Se o reino de Satanás tem grupos que lutam entre si, como continuará a existir? Vocês dizem que é Belzebu que me dá poder para expulsar demônios. Mas, se é assim, quem dá aos seguidores de vocês o poder para expulsar demônios? Assim, os seus próprios seguidores provam que vocês estão completamente enganados. Na verdade é pelo poder de Deus que eu expulso demônios, e isso prova que o Reino de Deus já chegou até vocês.
- Quando um homem forte e bem armado guarda a sua própria casa, tudo o que ele tem está seguro. Mas, quando um homem mais forte o ataca e vence, leva todas as armas em que o outro confiava e reparte tudo o que tomou dele.
- Quem não é a meu favor é contra mim; e quem não me ajuda a ajuntar está espalhando.
Jesus continuou:
- Quando um espírito mau sai de alguém, anda por lugares sem água, procurando onde descansar, mas não encontra. Então diz: "Vou voltar para a minha casa, de onde saí." Aí volta e encontra a casa varrida e arrumada. Depois sai e vai buscar outros sete espíritos piores ainda, e todos ficam morando ali. Assim a situação daquela pessoa fica pior do que antes.

Comentário do Evangelho

Somos libertados por Deus

Os sinais libertadores (curas e exorcismos) operados por Jesus suscitam a admiração de muitos nas multidões. Mas também despertam o ódio de alguns que têm o poder religioso e econômico nas mãos e temem a libertação do povo. Assim pretendem difamar Jesus, acusando-o de estar sob o poder de Beelzebu. Jesus responde que sua ação libertadora é feita pelo dedo de Deus, o que sinaliza a chegada do Reino. Contudo, a libertação sem a adesão à palavra que leva ao compromisso deixa a pessoa desamparada para novamente ser tomada pelo mau espírito.
Somos libertados por Deus, em Jesus, para sermos agentes da transformação deste mundo em um mundo novo, em que a ambição do dinheiro que promove o horror da guerra ceda lugar à fraternidade, à partilha e à paz.


quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Como rezar?


Leitura Orante

Lc 11,5-13

Então Jesus disse aos seus discípulos:
- Imaginem que um de vocês vá à casa de um amigo, à meia-noite, e lhe diga: "Amigo, me empreste três pães. É que um amigo meu acaba de chegar de viagem, e eu não tenho nada para lhe oferecer."
- E imaginem que o amigo responda lá de dentro: "Não me amole! A porta já está trancada, e eu e os meus filhos estamos deitados. Não posso me levantar para lhe dar os pães."
Jesus disse:
- Eu afirmo a vocês que pode ser que ele não se levante porque é amigo dele, mas certamente se levantará por causa da insistência dele e lhe dará tudo o que ele precisar. Por isso eu digo: peçam e vocês receberão; procurem e vocês acharão; batam, e a porta será aberta para vocês. Porque todos aqueles que pedem recebem; aqueles que procuram acham; e a porta será aberta para quem bate. Por acaso algum de vocês será capaz de dar uma cobra ao seu filho, quando ele pede um peixe? Ou, se o filho pedir um ovo, vai lhe dar um escorpião? Vocês, mesmo sendo maus, sabem dar coisas boas aos seus filhos. Quanto mais o Pai, que está no céu, dará o Espírito Santo aos que lhe pedirem!

Comentário do Evangelho

A oração não é um ato de barganha.

Lucas, em seu Evangelho, dá grande destaque à oração. Ele acrescenta à narrativa de Mateus, sobre a insistência no pedir, a sugestiva comparação com o amigo que vem incomodar pedindo ajuda. Pela insistência, ele consegue seu objetivo. Seguem-se as exortações sobre a perseverança no pedir e no procurar. A oração não é um ato ostensivo
nem ato de barganha. Na intimidade de Deus, a oração é um desnudar-se em todo nosso ser, com suas alegrias e tristezas, esperanças e desânimos, conquistas e frustrações, prazeres e dores. O dom maior, que Deus não nos negará e que podemos pedir, é o seu Espírito de Amor, pelo qual entramos em comunhão de vida com nosso próximo e irmão.


quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Evangelho do dia - Jesus é anunciado


Lc 1,26-38

Quando Isabel estava no sexto mês de gravidez, Deus enviou o anjo Gabriel a uma cidade da Galiléia chamada Nazaré. O anjo levava uma mensagem para uma virgem que tinha casamento contratado com um homem chamado José, descendente do rei Davi. Ela se chamava Maria. O anjo veio e disse:
- Que a paz esteja com você, Maria! Você é muito abençoada. O Senhor está com você.
Porém Maria, quando ouviu o que o anjo disse, ficou sem saber o que pensar. E, admirada, ficou pensando no que ele queria dizer. Então o anjo continuou:
- Não tenha medo, Maria! Deus está contente com você. Você ficará grávida, dará à luz um filho e porá nele o nome de Jesus. Ele será um grande homem e será chamado de Filho do Deus Altíssimo. Deus, o Senhor, vai fazê-lo rei, como foi o antepassado dele, o rei Davi. Ele será para sempre rei dos descendentes de Jacó, e o Reino dele nunca se acabará.
Então Maria disse para o anjo:
- Isso não é possível, pois eu sou virgem!
O anjo respondeu:
- O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Deus Altíssimo a envolverá com a sua sombra. Por isso o menino será chamado de santo e Filho de Deus. Fique sabendo que a sua parenta Isabel está grávida, mesmo sendo tão idosa. Diziam que ela não podia ter filhos, no entanto agora ela já está no sexto mês de gravidez. Porque para Deus nada é impossível.
Maria respondeu:
- Eu sou uma serva de Deus; que aconteça comigo o que o senhor acabou de me dizer!
E o anjo foi embora.

Comentário do Evangelho

A nova criação é resgatada

O Espírito de Deus pairava sobre as águas, na criação. Agora é este Espírito que desce sobre Maria para a nova criação, em Jesus. Jesus é a "salvação de Deus" (yeshû'a). A nova criação é resgatada da opressão que reinava entre os filhos de Adão. É a libertação de toda forma de jugo, tenha ele origem no poder civil ou no religioso. A nova criação é resgatada pelo amor de Deus, revelado em Jesus, tornando-se participante da vida divina presente nesta criança que é concebida em Maria, o Filho do Altíssimo. Orando com Maria, agradeçamos a Deus que nos criou e nos assumiu como filhos seus.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

evangelho do dia - Como amar



Lc 10,25-37

Um mestre da Lei se levantou e, querendo encontrar alguma prova contra Jesus, perguntou:
- Mestre, o que devo fazer para conseguir a vida eterna?
Jesus respondeu:
- O que é que as Escrituras Sagradas dizem a respeito disso? E como é que você entende o que elas dizem?
O homem respondeu:
- "Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma, com todas as forças e com toda a mente. E ame o seu próximo como você ama a você mesmo."
- A sua resposta está certa! - disse Jesus. - Faça isso e você viverá.
Porém o mestre da Lei, querendo se desculpar, perguntou:
- Mas quem é o meu próximo?
Jesus respondeu assim:
- Um homem estava descendo de Jerusalém para Jericó. No caminho alguns ladrões o assaltaram, tiraram a sua roupa, bateram nele e o deixaram quase morto. Acontece que um sacerdote estava descendo por aquele mesmo caminho. Quando viu o homem, tratou de passar pelo outro lado da estrada. Também um levita passou por ali. Olhou e também foi embora pelo outro lado da estrada. Mas um samaritano que estava viajando por aquele caminho chegou até ali. Quando viu o homem, ficou com muita pena dele. Então chegou perto dele, limpou os seus ferimentos com azeite e vinho e em seguida os enfaixou. Depois disso, o samaritano colocou-o no seu próprio animal e o levou para uma pensão, onde cuidou dele. No dia seguinte, entregou duas moedas de prata ao dono da pensão, dizendo:
- Tome conta dele. Quando eu passar por aqui na volta, pagarei o que você gastar a mais com ele.
Então Jesus perguntou ao mestre da Lei:
- Na sua opinião, qual desses três foi o próximo do homem assaltado?
- Aquele que o socorreu! - respondeu o mestre da Lei.
E Jesus disse:
- Pois vá e faça a mesma coisa.

Comentário do Evangelho

Quem é o meu próximo

Esta parábola é uma resposta de Jesus à aspiração, enraizada em nosso coração, de alcançar a vida eterna. As várias religiões, ao longo do tempo, buscam uma resposta. Jesus, com seu testemunho, e por meio desta parábola, revela que o caminho da vida eterna é a prática concreta do amor. Na parábola, torna-se evidente que sou eu que elejo meu próximo, sem seletividades raciais, aproximando-me dele, principalmente quando estiver carente e excluído. A parábola aplicava-se diretamente aos chefes do judaísmo que se distanciavam desta compreensão, enquanto os samaritanos a viviam.

domingo, 4 de outubro de 2009

São Francisco de Assis - Padroeiro de Anicuns

SÃO FRANCISCO DE ASSIS



No dia 4 de outubro celebramos São Francisco de Assis, padroeiro de nossa cidade, que nasceu na cidade de Assis, na Itália, em 1181 (ou 1182). Filho de um rico comerciante de tecidos, Francisco tirou todos os proveitos de sua condição social vivendo entre os amigos boêmios.

Tentou, como o pai, seguir a carreira de comerciante, mas a tentativa foi em vão.

Sonhou então, com as honras militares. Aos vinte anos alistou-se no exército de Gualtieri de Brienne que combatia pelo papa, mas em Spoleto teve um sonho revelador: Foi convidado a trabalhar para "o Patrão e não para o servo".

Suas revelações não parariam por aí. Em Assis, o santo dedicou-se ao serviço de doentes e pobres. Um dia do outono de 1205, enquanto rezava na igrejinha de São Damião, ouviu a imagem de Cristo lhe dizer: "Francisco, restaura minha casa decadente".

O chamado, ainda pouco claro para São Francisco, foi tomado no sentido literal e o santo vendeu as mercadorias da loja do pai para restaurar a igrejinha. Como resultado, o pai de São Francisco, indignado com o ocorrido, deserdou-o.
Com a renúncia definitiva aos bens materiais paternos, São Francisco deu início à sua vida religiosa, "unindo-se à Irmã Pobreza".

A Ordem dos Frades Menores teve início com a autorização do papa Inocêncio III e Francisco e onze companheiros tornaram-se pregadores itinerantes, levando Cristo ao povo com simplicidade e humildade.

O trabalho foi tão bem realizado que, por toda Itália, os irmãos chamavam o povo à fé e à penitência. A sede da Ordem, localizada na capela de Porciúncula de Santa Maria dos Anjos, próxima a Assis, estava superlotada de candidatos ao sacerdócio. Para suprir a necessidade do espaço, foi aberto outro convento em Bolonha.

Um fato interessante entre os pregadores itinerantes foi que poucos, dentre eles, tomaram as ordens sacras. São Francisco de Assis, por exemplo, nunca foi sacerdote.

Em 1212, São Francisco fundou com sua fiel amiga Santa Clara, a Ordem das Damas Pobres ou Clarissas. Já em 1217, o movimento franciscano começou a se desenvolver como uma ordem religiosa. E como já havia ocorrido anteriormente, o número de membros era tão grande que foi necessária a criação de províncias que se encaminharam por toda a Itália e para fora dela, chegando inclusive à Inglaterra.

Sua devoção a Deus não se resumiria em sacrifícios, mas também em dores e chagas. Enquanto pregava no Monte Alverne, nos Apeninos, em 1224, apareceram-lhe no corpo as cinco chagas de Cristo, no fenômeno denominado "estigmatização".

Os estigmas não só lhe apareceram no corpo, como foram sua grande fonte de fraqueza física e, dois anos após o fenômeno, São Francisco de Assis foi chamado ao Reino dos Céus.

Autor do Cântico do Irmão Sol, considerado um poeta e amante da natureza, São Francisco foi canonizado dois anos após sua morte.

Em 1939, o papa Pio XII tributou um reconhecimento oficial ao "mais italiano dos santos e mais santo dos italianos", proclamando-o padroeiro da Itália.